O PSDB está desunido e desorientado, por *Elio Gaspari

Nas mãos de Geraldo Alckmin, o partido fundado por Mário Covas virou um PT Chique, e FHC fez que não notou

25/04/18 - 00h00 | Atualizado: 25/04/18 - 07h38

O PT teve dois presidentes denunciados por corrupção (José Dirceu e José Genoino), o PSDB também (Aécio Neves e Eduardo Azeredo). Quando estourou o escândalo do mensalão, o PT decidiu peitar a investigação e o processo, o PSDB também.

Veio a Lava-Jato, e o PT resolveu continuar na tática da negativa da autoria e no enfrentamento político. O PSDB também. Em 2007, quando estourou o escândalo do mensalão mineiro, Ruth Cardoso, mulher de FHC e sua consciência social, sustentou que o ex-governador Eduardo Azeredo deveria ser afastado da presidência do PSDB. Não foi ouvida. Esse precedente deu a Aécio Neves razões para permanecer na presidência do partido. Só quando sua situação tornou-se insustentável, deu uma carteirada em Tasso Jereissati e apoiou a escolha de Geraldo Alckmin para o lugar.

Se essa onipotência fosse pouca, o partido de Mário Covas e Franco Montoro foi dominado pela mentalidade provinciana de Alckmin. Primeiro, ele fritou a liderança do PSDB de São Paulo inventando o “gestor” João Doria. Se tudo desse certo, ele fritaria os tucanos pela segunda vez, elegendo para seu lugar o vice Márcio França, do PSB. Deu errado porque o “gestor” escapuliu da prefeitura paulistana e arrebatou a candidatura ao governo. Ganha uma viagem a Pindamonhangaba quem for capaz de citar cinco realizações de França em sua carreira política e outras cinco de Doria na prefeitura.

As denúncias contra Azeredo e Aécio ameaçam explodir o PSDB, mas as articulações de Alckmin estão implodindo-o. Sua candidatura à Presidência poderá significar o coroamento do extermínio.

Em 2004, quando o juiz Sergio Moro escreveu um artigo comparando a Lava-Jato à Operação Mãos Limpas italiana, lembrou que dela resultou a destruição do sistema partidário italiano. Petistas e tucanos não lhe deram atenção, e hoje os dois principais partidos brasileiros estão feridos. E o MDB? Numa repetição do que aconteceu na França do Setecentos, arrisca-se assistir a um triunfo do pântano.

O colapso das propostas dos tucanos e dos petistas não fazem bem ao país. Se os dois partidos decidiram enfrentar o problema da corrupção protegendo corruptos, isso não invalida as ideias que defendem, até porque do pântano saem sapos, não ideias. Montoro e Mário Covas já se foram. Do time de fundadores do PSDB resta Fernando Henrique Cardoso. Tem passado e, aos 86 anos, seu futuro está numa encruzilhada. Nela, se olhar para trás, poderá desempenhar um papel político relevante.

Infelizmente, seu último livro, “Crise e reinvenção da política no Brasil”, é um bufê de autoelogios, onde se alternam boas causas e platitudes. Em alguns momentos, FHC parece-se com um Jean de Léry do século XXI. Olha para o Brasil com o distanciamento do seminarista francês observando os tupinambás que o mantiveram cativo na Baía da Guanabara no século XVI. Lendo-o, percebe-se o que está faltando ao PSDB: um segundo volume do “Crise e reinvenção”, dizendo tudo o que FHC não quis dizer no primeiro.

O ex-presidente é um homem cordial e não gosta de confrontos, mas deve-se registrar que na sua “Reinvenção” faltou alguma coisa: Em 238 páginas ele não precisou mencionar Geraldo Alckmin, candidato de seu partido à sucessão presidencial.

Elio Gaspari é jornalista, escreve no Jornal O Globo.