Dr. Pessoa é o Cara?

A expectativa da oposição no Piauí continua ainda girando em torno de um escorregão do governo Wellington Dias

Em meio a um vácuo de nomes para a disputa do governo do estado nas eleições de 2018, o nome do deputado estadual Dr. Pessoa, atualmente pertencente aos quadros do PSD, surge como a alternativa mais viável. Por enquanto dispersa no quadro sucessório, a oposição do Piauí ainda não deu um passo significativo para articular a formação de um bloco partidário, porque seus líderes ainda esperam alguém dar o primeiro passo para iniciar esse mutirão.

Dr. Pessoa (Foto: Wilson Nanaia / Portal AZ)
Dr. Pessoa (Foto: Wilson Nanaia / Portal AZ)

A explicação para a ausência da necessária articulação pode estar no fato de que o processo sucessório ainda não foi deflagrado de todo, diferente de outros anos nesta mesma época – o ano anterior ao das eleições –quando partidos e líderes já discutiam a formação de alianças e candidaturas. A expectativa da oposição no Piauí continua ainda girando em torno de um escorregão do governo Wellington Dias, torcendo para  um fato negativo (como atraso na folha de pessoal) atingir a imagem do governador.

Diferente de outros virtuais candidatos, que se apresentam – é o que parece ser – para apenas ter o nome divulgado na mídia, o deputado Dr. Pessoa se movimenta com muita disposição. Não por acaso já esteve em eventos de municípios como Piripiri, onde foi recebido pelo prefeito Luiz Menezes, em Parnaíba, homenageado por Mão Santa (prefeito), Batalha, Campo Maior. Enfim. Pessoa dá uma demonstração de que, de fato, quer ser candidato a governador e não está esperando ser lançado e avalizado.

O que não passa despercebido é a falta de interesse dos partidos oposicionistas em apostarem na candidatura do deputado, principalmente seu partido, o PSD, bem acomodado no governo do estado. Talvez por isso, ele tenha que procurar um novo abrigo partidário se quiser viabilizar sua candidatura. Até aqui apenas partidos nanicos ofereceram a ele a legenda, o que não favorece seu projeto. Ser candidato por uma sigla sem estrutura o deixa menos fortalecido.

Em 1994, assim como o Dr. Pessoa, o então ex-prefeito de Parnaíba Mão Santa saiu em campanha pelo estado fazendo o papel de um Dom Quixote e acabou levando a disputa para o segundo turno e ganhando o governo. Mão Santa, porém, concorria por um partido (o PMDB) que, se não o estava apoiando na quase totalidade de suas bases, era o principal antagonista do PFL à época. Isso favoreceu sobremaneira sua campanha eleitoral levando a disputa a um equilíbrio cujo final se deu forma emocionante.

Talvez pelo fato de a disposição do deputado Dr. Pessoa se parecer muito com a sua, o prefeito de Parnaíba dê sinais de que vai avalizar sua candidatura e a partir daí outros grupos de oposição passem a seguí-lo. O grande problema de Pessoa é partidário. Sem um partido médio ou grande que o abrigue, ele acabará optando por uma dessas siglas sem qualquer expressão. De qualquer forma, suas andanças já o fazem um potencial candidato a governador em 2018. Pelo cacife que teve em Teresina em 2016, será o Dr. Pessoa o cara?