Bravo cinema argentino

As cenas de assassinato são sufocantes

Os argentinos estão cada vez melhor com seu cinema sério, pesado e com críticas à brutalidade que foi sua ditadura militar. O Clã (2015), dirigido por Pablo Trapero não economiza no realismo ao tratar dos Puccio, uma família de classe média que passa a sequestrar e matar os reféns em troca de dinheiro. As cenas de assassinato são sufocantes.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O mentor, Arquimedes, usava de sua influência militar para fazer os atos que são descritos de forma aterrorizante. Rapaz, continuo achando o cinema brasileiro melhor (se desistissem dessas comédias globais, seria melhor ainda) mas os hermanos estão talentosíssimos.

Outros petardos dos hermanos

Plata Quemada (2000) - O filme retrata a história verídica de uma dupla de assaltantes conhecida como “Os Gêmeos”, amantes e marginais que, em 1965, fogem da Argentina com o valor de sete milhões de pesos e se refugiam no Uruguai, juntamente com o resto do bando.

Nove Rainhas (2000)- Trapaças, roubo, tudo de enganação e um pouco mais com Ricardo Darín encabeçando um elenco em trama que mistura roubo de selos com muita ação. Vale a pena.

Relatos Selvagens (2014) – Violência, relações destruídas, humor ácido, uma verdadeira análise do dia a dia estressante do ser humano em crônicas perfeitas. Muito bom.