Lendas do vôlei protestam contra medida provisória que reduz verba do esporte no Brasil

A medida provisória editada por Michel Temer pode por fim ao desenvolvimento do esporte no país

Na segunda (11), o presidente Michel Temer editou a medida provisória que transfere parte dos recursos das loterias esportivas para Segurança Nacional. Esses recursos são as principais fontes de renda do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), Ministério do Esporte e Comitê Brasileiro de Clubes (CBC).

Assim a medida atinge tanto o esporte de base como o esporte de alto rendimento no país. Com isso, o grupo Lendas do Vôlei, que reúne atletas e ex-atletas que defenderam a camisa do Brasil em grandes competições, resolveram protestar. O grupo que reúne nomes como Marcelo Negrão, Giba, Rodrigão, Marcelinho, Serginho (Escadinha), Giovane, Willian Mago, Lucarelli, Lucão, Bruninho, entre outros, publicaram uma carta  afirmando a importância do desenvolvimento do esporte para o país.

Marcos Oliveira
Marcos Oliveira

Aqui em Teresina o ex-atleta Marcos Oliveira é um dos integrantes desse grupo. Hoje como treinador da base do vôlei piauiense, Marcos no passado defendeu a camisa da seleção em diversas competições. Fruto do trabalho do esporte nacional, o atleta afirma que a medida vai na contramão do desenvolvimento do país tanto no esporte como no quesito da segurança.

Essa medida provisória vem na contramão de tudo que é feito no mundo em relação a esporte e segurança pública. Não é tirando o dinheiro do esporte e colocando na segurança que iremos diminuir a violência no nosso país. Todos nós sabemos que o esporte é uma ferramenta importantíssima para tirar as crianças da ociosidade, da marginalidade, para dar um futuro melhor a nossa juventude. Não é comprando arma, não é armando mais a policia que a gente vai acabar com a violência no nosso país. A gente sabe que a desigualdade é muito grande e o esporte é que salva, salva muitas crianças, salva muitas famílias de uma situação de risco, de uma situação de vulnerabilidade. Os recursos já são muito escassos. Acredito que mais investimento no esporte ajudaria muito a questão da segurança no nosso Brasil. As crianças que na base tem contato com esporte são crianças que já crescem com a mentalidade diferente, de saúde, união, amizade e cidadania. Dá dignidade ao ser humano. Espero que esse protesto repercuta bastante para barrar essa medida. É a medida que vem para combater o crime, mas na verdade é um grande crime para população brasileira, relatou Marcos.

Assim a medida vem na contramão de leis de incentivo ao esporte criadas no país. Pela Lei Pelé, 4,5% da arrecadação bruta das loterias iam para o Ministério do Esporte, que detinha um valor e repassava outra parte para o Comitê Brasileiro de Clubes e também secretarias estaduais de esporte. A Lei Agnelo Piva tinha direito a outros 2,7% da arrecadação, repassando 1,7% ao COB e 1% à CPB.

COB manifestou em seu site a preocupação com o desenvolvimento do esporte
COB manifestou em seu site a preocupação com o desenvolvimento do esporte

Com essa medida provisória, revoga o artigo 56, § 10º, da Lei n. 9.615/1998, e assim, a CBC teria sua fonte de recursos extinta. Com tudo isso, a CBC fez um comunicado oficial em sua página informando que “Diante deste quadro, infelizmente cabe comunicar, também, que não resta outra saída ao CBC senão a suspensão do fomento aos Campeonatos Brasileiros Interclubes até a votação da Medida Provisória, que tem prazo de tramitação máximo de até 120 dias. Portanto, até a votação da Medida Provisória, o CBC não adquirirá passagens e hospedagens para as delegações dos clubes integrados”.

CBC publicou nota de repúdio em suas redes sociais
CBC publicou nota de repúdio em suas redes sociais

Imagine um país onde o dinheiro investido no crescimento social será investido no crescimento de policia e armas. Imagine um país sem representação nas Olimpíadas. Imagine não poder seguir correndo, jogando e treinando.  

CONFIRA A CARTA NA INTEGRA:

CARTA ABERTA AOS BRASILEIROS

O Esporte Nacional exige respeito e reconhecimento

Cada brasileiro é um campeão por nascer entre nossas fronteiras.

Desde o operário que deixa sua casa com o dia escuro, marmita fria e vai buscar o sustento da sua família, retornando em ônibus e metrôs lotados somente à noite, ao campeão olímpico que despendeu milhares de horas do seu bem mais precioso que é a vida, em detrimento da família, dos amigos, das confraternizações em busca de uma medalha para o Brasil.

Corre nas veias dos brasileiros o sangue de vencedores, apesar de todas as dificuldades, desmandos de dirigentes, descaso das autoridades, nos tornando um povo respeitado e admirado mundialmente por nossas conquistas esportivas.

Quando um atleta brasileiro entra em uma competição, todos os corações brasileiros pulsam com ele, se incorporam a esse momento decisivo desse brasileiro que leva o nome do nosso país aos quatro cantos do planeta, após anos de muita dedicação e trabalho.

Assim é o esporte: ele é capaz de unir povos, semear a paz, educar crianças, integrar socialmente jovens, garantir a saúde, enfim, transformar quem o pratica em um ser humano melhor.

A comprovação dos benefícios do esporte às pessoas é inquestionável, ele é uma ferramenta insubstituível para a construção de uma sociedade melhor.

O esporte tem a seu favor ainda os benefícios econômicos que traz ao nosso país; se não fosse o estímulo da prática esportiva provocado por nossos atletas de alta performance, milhares de brasileiros seriam sedentários, causando vultosas despesas ao nosso já combalido sistema de saúde pública!

Como então, sequer pensar em retirar apoio financeiro ao nosso esporte em favor da segurança, sendo que o esporte é um dos pilares fundamentais para retirarmos do caminho do crime milhares de crianças e jovens?

Esse documento representa a voz de centenas de atletas, ex-atletas, profissionais, amantes e praticantes de esportes do nosso país.

- Lendas do vôlei

Mais lidas nesse momento