EUA vão abrir embaixada em Jerusalém em maio, diz Departamento de Estado

Em dezembro, o presidente Donald Trump anunciou que os Estados Unidos reconheciam Jerusalém como a capital de Israel

Os Estados Unidos disseram nesta sexta-feira que vão abrir sua embaixada para Israel em Jerusalém em maio, numa mudança de Tel Aviv que reverte décadas de política dos EUA.

Netanyahu durante reunião em Jerusalém (Foto: Divulgação/Reuters)
Netanyahu durante reunião em Jerusalém (Foto: Divulgação/Reuters)

Em dezembro, o presidente Donald Trump anunciou que os Estados Unidos reconheciam Jerusalém como a capital de Israel, enfurecendo os palestinos, que querem a parte leste da cidade como sua capital, e até mesmo os árabes que são aliados de Washington.

Nenhum outro país reconheceu Jerusalém como a capital de Israel, e a decisão de Trump semeou discórdia entre os Estados Unidos e a União Europeia sobre os esforços de paz no Oriente Médio.

“Estamos empolgados em dar esse passo histórico e aguardamos ansiosamente a abertura para maio”, disse a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert, observando que irá coincidir com o 70º aniversário de Israel.

A abertura da embaixada já em maio parece representar uma antecipação ao que se esperava. Em discurso no Parlamento israelense no mês passado, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, disse que a transferência aconteceria no final de 2019.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, saudou o anúncio dos EUA na sexta-feira como “um ótimo dia para o povo de Israel”.

Os palestinos reagiram com irritação.

“Este é um passo inaceitável. Qualquer movimento unilateral não dará legitimidade a ninguém e será um obstáculo para qualquer esforço para criar a paz na região”, disse Nabil Abu Rdainah, porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas, que está nos Estados Unidos até sábado.